Através de um pomar

Philippe Jaccottet

Prefácio de Nuno Júdice

Tradutora de Cristina Isabel de Melo

Collection classique Vagamundo
O livro

Langue : Portugais
Poesia (prosa)
20 x 11 cm
48 páginas
Encadernação costura
ISBN 978-2-9536228-0-5

Através de um Pomar é um texto sobre a beleza de um amendoal que se desenvolve como uma interrogação sobre o signi cado desta beleza e sobre o próprio trabalho da escrita, em articulação com a experiência do sofrimento e da morte. A incapacidade do autor transmitir a beleza do amendoal, tal como a viveu, ensina-lhe que o fundamental é, precisamente, a procura do ilimitado e do inefável. Enleando-se com a interrogação estética motivada pela paisagem, a ponderação acerca dos limites da palavra re ecte-se no exercício descritivo do passeio e da interioridade. Na procura da palavra adequada, na procura da maior acuidade possível entre a vivência da experiência do real e a sua escrita, Jaccottet convoca-nos a aceitar o desa o poético e existencial com que a natureza nos presenteia.

© Cristina Isabel / Vagamundo

O autor

Philippe Jaccottet é considerado um dos mais proeminentes representantes da geração de poetas francófonos do pós-guerra. Nasceu em Moudon (Suiça) a 30 de Junho de 1925, mas vive há mais de 50 anos em Grignan, na Provença francesa. O seu percurso literário foi bastante marcado pela actividade de tradutor. Entre os autores por si traduzidos contam-se os nomes de Homero, Platão, Góngora, Hölderlin, Leopardi, Rilke, Musil, Thomas Mann, Mandelstam ou Ungaretti. Como poeta e ensaísta, tem cerca de 50 obras publicadas, muitas delas traduzidas em mais de uma vintena de idiomas. A sua escrita caracteriza-se por um despojamento intimista, assumido como tentativa de claridade sobre o real, em que as preocupações de natureza estética se confundem com um posicionamento ético quanto à relação do sujeito com a natureza e com os outros. Philippe Jaccottet tem recebido várias das mais prestigiadas distinções literárias e são inúmeros os ensaios consagrados à sua obra.

Trecho

Através da névoa feliz das amendoeiras, já não tenho bem a certeza de ver a luz desabrochar, mas sim um velho rosto angustiado que às vezes surpreendo sob o meu, no espelho, com espanto. Detrás das árvores, neste cinzento confuso, aproveitando as falhas que se abrem numa paisagem imprecisa e turva, aos poucos, tudo se enche de sombras que procuram o seu caminho, enquanto ainda têm força, desejo. Mesmo a esta distância, isso assusta; mas falar de sombras, é ainda velar, suavizar o horror real, o que mancharia as palavras se fôssemos obrigados a aproximar-nos. (E um dia seremos forçados a isso.)
© Éditions Vagamundo 2010


voir cette page en français